Antes de eu chegar, a solidão tinha-te entregue
demasiados corpos, que não acalmavam as feridas
cavadas nas profundezas da pele. Era assim que a
vida passava por ti, cansada de dias que acabavam
cedo demais, de vozes que vinham de muito longe
e traziam as mãos vazias e silenciosas.

Foi assim que te encontrei, enquanto procurava a
lembrança de todas as palavras que perdi, eu,
tão pequena e perdida no caminho dos teus abraços.

Foram escuros os passos que nos trouxeram até
aqui. Mas resta-nos agora tempo, para aprender
a desenhar este sorriso de gostar de ti.

Advertisements
This entry was posted in Uncategorized. Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s